5 motivos para ver e 1 para não ver a série ‘As Telefonistas’ na Netflix

Confira aqui 5 motivos para dar uma chance a 'As Telefonistas' e 1 motivo para passar longe da série espanhola da Netflix!

A série de drama As Telefonistas, lançada em 28 de abril de 2017, é uma produção original da Netflix. Ao todo, a produção conta com 6 temporadas, sendo que a última é dividida em duas partes. O Tech News Brasil listou 5 motivos para ver As Telefonistas’ e 1 para não ver essa série hoje mesmo na Netflix!

Baseada na obra ‘O tempo entre as costuras’, de Maria Dueñas, a trama gira em torno de quatro mulheres, de diferentes lugares da Espanha, que se mudam para Madrid e começam a trabalhar em uma moderna empresa de telecomunicações como operadoras de telefonia. As telefonistas vivem amizades e namoros intensos ao mesmo tempo em que passam por uma jornada de autoconhecimento.

Depois de La Casa de Papel, ficou evidente que a Espanha sabe fazer séries de sucesso. Outra série que podem provar isso é, no título original, Las Chicas del Cable. Descubra por quê.

Motivos para assistir As Telefonistas

A seguir, descubra quais os motivos para assistir à série As Telefonistas na Netflix hoje mesmo.

Feminismo em pauta

Alba Romero (ou Lidia Aguilar), interpretada por Blanca Suárez, é a personagem principal. A atriz tem uma beleza estonteante, mas consegue se transformar em algo a mais que uma mera mulher bonita no decorrer da série. Isso porque Alba se mostra uma mulher forte, confiante, determinada e destemida.

A todo momento, Alba e suas amigas vivenciam os desafios de ser mulher em uma sociedade como a dos anos 1920, aprendendo a lidar com ela no desenrolar da história com muita bravura.

É uma série de encorajamento

Liberdade tema abordado em As Telefonistas
Imagem: Divulgação/Netflix

Entre erros e acertos, as protagonistas de As Telefonistas mostram o quanto é importante lutar por aquilo que se deseja sem medo de arriscar. Todo mundo tem medos e inseguranças que precisam ser superados. Nem as piores reviravoltas significam que essa seja a hora de parar e desistir. Quando se tem vontade e garra, o sucesso é garantido — mesmo quando as coisas saem de jeito diferente do esperado.

Liberdade em vários sentidos

A busca por liberdade é o que há de mais marcante em As Telefonistas. Afinal de contas, as mulheres que trabalhavam na década de 1920 tinham má fama, até mesmo nos casos em que as justificativas para o trabalho fossem as mais nobres. Duas das protagonistas da série têm de enfrentar os homens da família para manter o trabalho e mostrar independência.

A personagem principal, Lidia Aguilar, é a mais desprendida (se mostrando assim desde o início da trama) e ensina muito sobre a importância de se sentir livre.

Diversidade e representatividade

Outro motivo para ver a série espanhola é o fato de que nela há algo bastante intrigante. Na atualidade, existem diversos preconceitos com homossexuais, transexuais e a comunidade LGBTQIA+ como um todo. Contudo, na série de televisão que se passa década de 1920, vemos um homem trans, iniciando uma luta contra uma sociedade altamente preconceituosa.

A princípio, a personagem interpretada por Ana María Polvorosa se apresenta como Sara. Conforme a personagem é construída, ela passa pela transição, passando a se chamar Oscar.

Motivo para não assistir As Telefonistas

Existe apenas um motivo para não assistir As Telefonistas. Confira qual é a seguir.

1 motivo para não assistir As Telefonistas
Imagem: Divulgação/Netflix

O único motivo para não assistir As Telefonistas

É fato que As Telefonistas tem mais prós do que contras. Afinal de contas, é uma série e tanto, que coloca em pauta diversos assuntos pertinentes, em qualquer realidade. Mas há algo nessa trama que pode colocar o ânimo do espectador a perder.

Estamos falando da última temporada de As Telefonistas. Isso porque, na 6ª e última temporada da trama, se desenrolam eventos que podem ser os mais traumáticos possíveis para quem acompanha uma série televisa. De maneira resumida e sem dar spoilers, a trama tem um desfecho trágico, que desagradou muitos fãs.

Graduanda em Comunicação Organizacional na UTFPR, com experiência na área de Gestão de Pessoas e em Marketing Digital. Amante de filmes de ação com protagonização feminina e fã de café à meia-noite.

Deixe seu comentário

dez − 1 =