O Ano do Streaming no Brasil (e no mundo) – Saiba mais!

Com a nova pandemia do Coronavírus, já não é novidade que muitas pessoas optaram por ficarem em casa a maior parte do tempo, principalmente para conseguirem cuidar da saúde e ainda assim, não espalhar a doença para demais grupos de risco.

Nessa permanência no lar, muitas coisas mudaram, como por exemplo, o consumo de streaming, principalmente com o lançamento de novas plataformas em território nacional, inovando esse mercado e suas preferências.

Você sabia que 2020 foi considerado o ano do streaming no Brasil? Veja aqui como funciona, quais são os mais assistidos e fique por dentro.

O ano do streaming no Brasil

O Ano do Streaming no Brasil (e no mundo) - Saiba mais!

As plataformas de streaming estão cada vez mais enraizadas na cultura do brasileiro, principalmente porque com o passar do tempo, há uma maior quantidade de opções, assim como assinantes em território nacional.

Conforme uma pesquisa realizada pela companhia de análise do mercado de mobile App Annie, o Brasil é um dos países que tem o maior tempo gasto com plataformas de streaming do mundo.

Além disso, esse número vem crescendo desde o ano de 2014, principalmente quando a Netflix e demais serviços começaram a ganhar mais destaque territorialmente.

Até o ano de 2017, uma pesquisa havia registrado uma alta no tempo de consumo desse serviço, sendo esse crescimento no valor de 90%, com foco principalmente no uso de dispositivos móveis.

Entre o ano de 2016 e 2018, segundo o App Annie, o aumento passou a ser de 130%, colocando o Brasil na posição de 6º país que mais tem usuários no mundo todo.

O país que possui o título de 1º lugar é sem dúvidas, a Índia, onde possui mais de 185% de aumento de visualizações, sendo seguido depois no 2º lugar pela Coreia do Sul, e assim respectivamente pela Austrália, Indonésia e Tailândia.

YouTube: a preferência dos brasileiros

O aplicativo que domina a lista dos brasileiros é sem dúvidas o YouTube, sendo acompanhado posteriormente pela Netflix, YouTube Kids, Twitch e por fim, a Globo Play. Uma outra pesquisa realizada pelo App Annie registrou que o Brasil está no 9º lugar quando falamos de gastos em dinheiro com estes aplicativos.

A Índia continua sendo a campeã, sendo seguida depois pela França e também pela Coreia do Sul.

O Ibope Conecta realizou uma pesquisa no ano de 2018 em conjunto com o Omelete Group, a qual mostra que 76% das pessoas escolhem o seu streaming pelo valor, sendo que a assinatura de TV a cabo diminuiu de 73% no ano de 2014 para 68% para 2017, principalmente quando as grandes plataformas se tornaram cada vez mais conhecidas e acessíveis.

Também temos a chegada de demais nomes de peso, como é o caso da HBO Max, pertencente ao grupo da WarnerMedia, do Disney+, da Amazon Prime e por fim, a Apple TV+, onde gera um maior aumento de consumo de programas pelos consumidores.

A chegada de nomes de peso no cenário nacional

O Ano do Streaming no Brasil (e no mundo) - Saiba mais!

A Netflix já é conhecida por obter a maior parte de consumidores no território nacional, porém, com a chegada da Amazon Prime Video e demais possibilidades, o aumento foi de 15% no market  share nos 3 primeiros meses da quarentena, além de uma média de 7 pontos no Ibope, sendo que esse valor só perde para os números da Globo, que possui 15 pontos e cerca de 32% de participação do mercado, quando comparado a todas as outras emissoras com posição menor no ranking.

De acordo com uma pesquisa realizada recentemente pela divisão de Mídia da Nielsen Brasil em parceria com a Toluna, foi revelado que cerca de 42% dos brasileiros que foram entrevistados fazem o consumo digital de streaming todos os dias, enquanto os outros 43% tem a prática ao menos uma vez na semana.

Essa troca tem impacto direto em auxiliar os players, além de sugerir programação condizente com o usuário de acordo com suas principais buscas, além de um maior engajamento da audiência em determinada conta.

O que estimula mais ainda este consumo é na entrega de valor ao cliente, indo além das novelas que estão sendo reprisadas ou até mesmo pela falta de jogos de futebol temporários, mas sim, pelo acesso fácil a toda esta tecnologia, onde com muito mais mobilidade e flexibilidade, se gera mais consumo por parte dos interessados.

Dessa forma, vale a pena procurar saber qual das plataformas de streaming é aquela que melhor combina com seus desejos pessoais, com seu gosto por conteúdo e vários fatores, incluindo preço de assinatura.

Marcela Mazetto
Jornalista formada pela PUCPR viciada em música de todos os tipos, livros e séries. Mestre em curiosidades inúteis, está sempre procurando fugir da rotina.

Deixe seu comentário

5 × quatro =