Carregador de celular sem fio – Como funciona? Saiba como usar

Os carregadores sem fio, também chamados carregadores wireless ou carregadores por indução eletromagnética, são o que há de mais novo quando o assunto é carregador de celular. Porém, não são nenhuma novidade.

Isso porque já no século XIX o pioneiro da eletricidade, Nikola Tesla, demonstrou ser possível transmitir eletricidade através do ar, criando um campo eletromagnético entre o transmissor e o receptor de energia.

Porém, por mais de um século a  tecnologia de Tesla não foi aplicada em larga escala. Apenas hoje em dia é que essa tecnologia de carregamento sem fio está ganhando popularidade. Obviamente não da maneira como Tesla previu, uma vez que a tecnologia avançou muito desde então. Mas o princípio é o mesmo.

Como funcionam os carregadores sem fio de celular?

O carregamento sem fio funciona através da tecnologia de indução eletromagnética. Há duas bobinas: uma no carregador e outra no aparelho. A bobina do carregador cria uma espécie de campo eletromagnético, que é convertido em energia pela bobina receptora presente no smartphone através da estimulação dos elétrons, cuja movimentação resulta numa corrente elétrica.

Carregadores sem fio

O campo eletromagnético gerado pelo carregador é curto. O que é benéfico por um lado, uma vez que não coloca em risco a saúde das pessoas. Mas isso também resulta numa desvantagem: a perda de mobilidade, uma vez que o smartphone precisa estar próximo do carregador sem fio.  O que, de certa forma, é contraditório, pois tira toda a lógica de uma tecnologia sem fio.

Qual a principal vantagem da tecnologia de carregamento sem fio?

Essa tecnologia pode ser considerada supérflua, como um mero upgrade de uma tecnologia já existente. Mas esse não é o caso.

Isso porque há uma série de vantagens de optar por uma tecnologia de carregamento sem fio, e as vantagens não se aplicam apenas no que diz respeito ao carregamento de smartphones.

A principal vantagem é a mobilidade que a tecnologia proporciona. Isso porque, em um futuro próximo, não mais precisaremos de fios para carregar nossos aparelhos eletrônicos. Imagine smartphones, televisões e até mesmo carros elétricos recebendo energia  a metros de distância, sem mais depender da necessidade de estar fisicamente próximo a uma fonte de energia.

Obviamente, este é um futuro ainda distante (mas não tanto assim). Hoje em dia as pessoas investem em carregadores sem fio mais pelo fator novidade do que pela funcionalidade. Isso porque a tecnologia de carregamento sem fio de hoje em dia ainda exige que a pessoa mantenha o celular próximo à fonte de energia. O ganho de mobilidade, portanto, é praticamente nulo por enquanto.

Os carregadores sem fio são atualmente melhores que os com fio?

A resposta é: ainda não. Por ser uma tecnologia ainda embrionária, ainda em fase de implementação e desenvolvimento, os carregadores sem fio ainda não superam os carregadores com fio.

A começar pela velocidade de carregamento. Os carregadores com fio já possuem a tecnologia de fast charging, o que faz com que carreguem muito mais rápido do que os carregadores do passado — e muito mais rápido do que os carregadores sem fio.

Além disso, os carregadores sem fio de hoje em dia trazem outra desvantagem significativa: o superaquecimento. Com esse tipo de carregador, o smartphone esquenta ligeiramente no momento do carregamento. A longo prazo, o uso de carregadores sem fio pode danificar a bateria e outras peças internas do aparelho.

Mas é como já comentamos: esta é ainda uma tecnologia em desenvolvimento. Espera-se que em alguns anos a tecnologia de carregamento sem fio evolua bastante, tornando o fio, depois de séculos, finalmente obsoleto.

E embora seja uma tecnologia segura, como já comentamos, já que o campo eletromagnético gerado não apresenta risco à saúde humana, é preciso sempre optar por carregadores originais. Para entender melhor o porquê disso, confira esse nosso outro artigo tratando sobre este assunto.

Alexandre Garcia
Redator da WebGo Content, graduado em Letras – Português/Inglês e pós-graduando em Teoria da Literatura pela PUC-PR, tem experiência com redação e revisão de textos para Web. Apaixonado por poesia, literatura, games, tecnologia e gatos.

Deixe seu comentário