Disney+ – Esquema que permitia repetir Teste Gratuito é desativado

Essa é mais uma daquelas notícias de como o jeitinho brasileiro acabou por encontrar brechas para tirar vantagem de mais alguma coisa. Nesse caso os espertinhos descobriram uma maneira de criar contas falsas para utilizar o Free Trial da Disney+ repetidas vezes, utilizando o serviço de graça, praticamente.

Acontece que a empresa responsável pela segurança da plataforma já atualizou o sistema para reconhecer se um dado informado pelo usuário é falso ou não, na hora de criar a conta, o que faz com que a malandragem não possa mais ser reproduzida.

Como eles faziam?

A artimanha se resumia a burlar o sistema de reconhecimento de dados no cadastro de uma nova conta. Até então, para se criar uma conta na Disney+ era necessário informar dados como nome, CPF, número do cartão de crédito e e-mail, mas a plataforma não realizava nenhuma verificação de validade desses dados.

Então, utilizando sites de geração de números de CPF e de cartão de crédito, era possível criar inúmeras contas. Depois que o teste gratuito, que na Disney+ é de 7 dias, acabava, bastava entrar nesses sites, conseguir um novo número de CPF e os dados do cartão de crédito falsos e criar uma nova conta com mais sete dias de trial.

Para se ter noção o esquema tinha até vídeo de tutorial no youtube ensinando quais sites utilizar para conseguir esses dados falsos e como o sistema de cadastro poderia ser burlado. 

E o real problema da plataforma era que o sistema não verificava realmente se o cartão de crédito inserido ali na hora do cadastro poderia ser usado para realizar uma transação financeira. Os cartões falsos, conseguidos através de um gerador de números válidos, não realizam transações.

O que mudou?

Bom, primeiro que a Disney agora sabe com quem ela está lidando, não é mesmo? Brasileiro é um bicho esperto e não será subestimado tão logo. Para resolver o problema a plataforma fez algo bem simples que na verdade é bem comum na maioria dos sistemas que utilizam cartões de crédito como credencial de cadastro para testes gratuitos.

Agora, sempre que um número novo de cartão de crédito é utilizado nas credenciais de criação de uma nova conta, o sistema envia uma transação de R$ 00,00 para a conta. Se for um cartão autêntico a transação será acusada pelo sistema e tudo será informado, até mesmo na conta utilizada.

Caso seja um número de cartão falso, a transação não será acusada nem autorizada pela plataforma. Isso faz com que seja impossível utilizar números de cartões falsos, pois os mesmos são acusados como inutilizáveis pelo sistema.

Depois de muitas reclamações no Twitter, sobre como a Disney pegou rápido essa malandragem, confirmamos que o sistema agora não permite a criação de contas falsas. E tudo por uma questão de violação de direitos contratuais para com a conta do cliente.

Dentro do contrato de assinatura, que todo novo usuário deve assinar quando cria sua conta, consta: “Você concorda em não utilizar identidade falsa ou declarar de forma imprecisa sua inscrição como sendo qualquer outra pessoa” e o usuário não pode “fornecer informações pessoais imprecisas, falsas ou incompletas”.

A quebra dessas cláusulas implica claramente que o usuário estará sujeito ao cancelamento da conta.

Quando custa a assinatura da Disney+ no Brasil?

Ainda novo, o serviço de streaming da Disney sai, para os brasileiros, por R$ 27,90 ao mês ou R$ 279,90 anualmente. Não é a mais barata das plataformas de streaming mas também não é um valor absurdo. Comparado com o custo de uma TV por assinatura, o preço está bem razoável.

Mesmo assim, existem rumores de que a empresa deseja reduzir o custo de adesão para clientes novos, para bater com os preços de plataformas concorrentes como a Amazon Prime e a Netflix.

Luiz Torrens
Jornalista, Roteirista e principalmente criador de histórias. Apaixonado por games e tecnologia.

Deixe seu comentário