Xiaomi Mi 11 Ultra – Vazamento revela dispositivo com tela secundária

Desde que surgiu o visual sem bordas dos smartphones modernos, as empresas têm tentado várias táticas para contornar a necessidade da câmera e outros sensores na parte frontal do dispositivo. A partir daí apareceram os notches, entalhes em gota, em furo, além de câmeras retráteis ou giratórias

Aparentemente, a Xiaomi vem desenvolvendo um novo recurso para resolver esse problema, sendo esse uma tela secundária alocada dentro do módulo de câmeras. Isso foi visto em uma imagem vazada na internet, que mostra a câmera traseira do futuro Mi 11 Ultra acompanhada de um pequeno display. 

Outro vazamento que confirma esse rumor veio do leaker chinês Digital Chat Station, na rede social Weibo, que afirmou que pelo menos dois aparelhos serão lançados em 2021 trazendo esse mesmo recurso. 

Sabe-se que a Huawei também patenteou um smartphone com display na traseira, mas não há detalhes sobre o lançamento desse produto, nem se ocorrerá ainda esse ano. 

Vantagens

A adição de uma segunda tela nesses smartphones traz flexibilidade para seu uso. Sua principal função seria a possibilidade de utilizar as câmeras principais, frequentemente mais potentes que a frontal, para tirar selfies. Dessa forma, não haveria tanta necessidade de adicionar outra câmera na parte frontal do dispositivo, sobrando mais espaço para tela. 

Ainda em relação às câmeras, essa tela permitiria tirar fotos em ângulos diferenciados com maior facilidade. Por exemplo, se quiser fazer uma imagem com o celular deitado no chão, ainda conseguirá ver o que está sendo capturado pelo display traseiro.

Ainda há a opção de utilizar o recurso para outras funções que não a câmera, como mostrar notificações ou conferir uma ligação recebida sem ter que virar o telefone. Outra opção é utilizar o “Always On Display”, deixando a tela num modo de baixo consumo de bateria mostrando a hora, data e clima.

Inovação da Xiaomi?

Apesar de inovadora, a tela secundária não é uma invenção recente, já tendo sido explorada por outras empresas no passado. 

Por exemplo, a Meizu, outra fabricante chinesa, apresentou em 2017 o Meizu Pro 7, que vinha com uma pequena tela AMOLED na traseira do dispositivo, logo abaixo das câmeras. Essa tela possuía apenas 2 polegadas e trazia funções de visor para fotos, exibição de notificações e hora e data

Outra aplicação interessante e criativa desse recurso veio com a empresa russa Yota, que utilizou um display e-ink (igual ao no Amazon Kindle) na traseira de seu dispositivo, chamado Yotaphone

O objetivo desse produto era poupar bateria e garantir leitura mais confortável, além de permitir o uso de uma imagem persistente mesmo que o dispositivo ou display estivessem desligados. Infelizmente, a última versão do Yotaphone foi lançada em 2017 e, dois anos depois, a empresa foi à falência. 

Ainda outra empresa que tentou inovar a partir desse recurso foi a ZTE, por meio de sua subsidiária, com o Nubia X. Além do display principal, esse smartphone tem uma tela OLED grande na traseira, com 5,1 polegadas e resolução HD

A novidade por aqui fica por conta do uso desse display, que segundo a empresa tem filtro de luz azul em 3 níveis, permitindo ao usuário proteção visual e melhor qualidade de sono. Por isso, a empresa encoraja o usuário a virar o telefone e utilizar somente a tela secundária à noite

O Mi 11 Ultra

No último dia 8, a Xiaomi oficializou a versão global de seu novo Mi 11. Por enquanto, esse é o único modelo que já foi apresentado nesta geração, mas espera-se que ainda sejam lançados o Mi 11 Lite, Mi 11 Pro e Mi 11 Ultra.

O Mi 11 Ultra já foi quase totalmente revelado num vazamento num canal filipino do YouTube, chamado Tech Buff PH. Não se sabe a procedência do aparelho que o apresentador tem em mãos, mas o número do modelo coincide com um modelo recentemente certificado pela Xiaomi na Índia. 

Se o leak for verdadeiro, a versão Ultra do Mi 11 deve contar com zoom de 120x, carregamento sem fio de 67W e tela OLED de resolução WQHD+ com taxa de atualização de 120 Hz. A proteção fica com conta do Gorilla Glass Victus e certificação IP68.

Suas câmeras seriam a principal de 50 MP, uma ultrawide de 48 MP e a lente para telefoto também de 48 MP. Já a frontal conta com um sensor de 20 MP alocada um um furo circular na tela.

Para finalizar, há uma bateria de 5000 mAh e o chipset top de linha da Qualcomm, Snapdragon 888.

Em comparação com o modelo vanilla, o Mi 11 Ultra tem bateria melhor, melhor construção (com a certificação de resistência à água e poeira) e carregamento mais rápido, tanto com quanto sem fio.

Luiz Torrens
Jornalista, Roteirista e principalmente criador de histórias. Apaixonado por games e tecnologia.

Deixe seu comentário

5 + 10 =